Resenha: Como Agarrar Uma Herdeira (Agentes Da Coroa #1) - Julia Quinn

21.7.18


 "Como Agarrar Uma Herdeira" é o primeiro livro da duologia "Agentes da Coroa" e narra a estória de Caroline Trent, uma moça de 20 anos que após perder os pais quando ainda jovem, viu-se perdida nos braços de inúmeros tutores - um pior que o outro - aguardando ansiosamente o dia em que completaria 21 anos para colocar as mãos em sua herança.
 Todavia, a situação desesperadora da garota atingiu seu estopim quando hospedada na casa de um suposto contrabandista, Caroline quase teve sua honra manchada pelo filho do homem, o qual planejara levá-la para cama na intenção de casar-se com ela e usufruir de sua fortuna.
 Arrumando seus poucos pertences e fugindo apenas com a roupa do corpo, Caroline depara-se com Blake Ravenscroft - um agente da Coroa - e é sequestrada pelo rapaz que confunde-a com uma perigosíssima espiã espanhola.
 E assim inicia-se essa epopeia protagonizada por esse casal não muito tradicional, criado por Julia Quinn.
 Após algum tempo me desencontrando com essa autora e revirando os olhos para seus romances mais açucarados, fico com o peito mais leve em finalmente adorar esse livro. "Como Agarrar Uma Herdeira" é aquela comédia romântica que você não sabia que precisava.
 Com um enredo não tão explorado em romances, apresentando espiões e agentes secretos, Julia Quinn consegue dar um fôlego para os leitores que estavam cansados das narrativas ambientadas nos salões de bailes londrinos. 
 Por algum motivo durante o decorrer da leitura, lembrei-me várias vezes da obra "A Intrusa" de Suzanne Enoch e só esse fato já me fez olhar para a estória de Caroline e Trent com olhos nostálgicos (fica aqui o apelo descarado para republicarem essa obra, porque meu livrinho de banca já está com suas páginas esfarelando ao vento).
 Agora, de volta a programação normal, o que conquista o leitor desde o começo na obra de Julia Quinn é o humor e sarcasmo presente em todas as páginas. Me diverti imensamente com os diálogos entre os protagonistas e personagens secundários.
 Caroline é a típica mocinha espevitada que passou por tantos percalços na vida que sua situação atual chega a ser cômica, apesar de toda a tragédia que permeia seu passado. O momento no qual ela basicamente implora para ser sequestrada fica bem engraçado, assim como todas as suas cenas e falas no decorrer da narrativa. 
 A garota nunca perdeu a esperança ou o bom-humor e em algumas partes no final da estória, fiquei triste por ela ter caído naquele velho clichê de: "criar memórias boas para um futuro de solidão", no entanto relevei esse fato perante a tantos elementos fofos presentes na obra. Afinal, como ficar irritada com essa moça que passou uma tarde inteira sonhando em como ficaria seu nome com o sobrenome de Ravenscroft? Caroline Trent era definitivamente boa demais para esse universo fictício.
 Já Blake é o típico mocinho carrancudo que ao encontrar a mocinha derrete mais rápido do que manteiga na frigideira e eu adoro esse clichê para os protagonistas masculinos (me julguem). Toda sua alma torturada por um amor perdido e aquele momento de redenção quando ele expõe seus sentimentos e descobre que finalmente está livre para amar de novo é um chavão que geralmente tende a funcionar comigo.
 A falta de moral do rapaz perante os três escassos funcionários da casa foi hilariante e eu já estava me apegando seriamente com o mordomo e sua personalidade de "eu não dou a mínima". James e Penélope - a irmã de Blake - foram ótimas adições a trama.
 O marquês de Riverdale - e futuro protagonista do segundo livro dessa saga - me conquistou com seus comentários inteligentes, observação sagaz e também com sua falta de paciência perante as implicações infantis de Blake e Caroline. As interações do trio foram bem desenvolvidas e espero que sua obra seja tão boa quanto a do amigo (deixando aqui um link com a capinha vintage dessa estória que também havia sido publicada pela falecida Nova Cultural em seus dias de glória - relevem meu saudosismo).
 No final, Julia Quinn acerta o alvo ao criar um livro cômico e romântico na medida certa. E eu estou mais do que feliz de finalmente fazer as pazes com essa autora querida que - quando arruma seus erros e não extrapola nos clichês - sempre consegue deixar os leitores com um sorriso no rosto ao finalizar suas obras.


Classificação: 4 de 5 estrelas.

x

Compre a obra:
Edição Nacional - Como Agarrar Uma Herdeira. Agentes da Coroa - Volume 1 

Leia Também

2 comentários

  1. Oi, Bea.
    Eu comprei o livro recentemente mas ainda não li, porque estou dando prioridade a outros. Vi muitas resenhas negativas da obra, tinha menos romance que os demais livros da autora, mas já li o segundo e gostei bastante e acredito que possa vir a gostar desse.
    Beijos
    http://www.suddenlythings.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Miriã, se vc já leu e gostou do segundo, vai adorar esse igualmente. Os dois são ótimos, uma das duologias mais fofas desse ano <3
      Beijos

      Excluir