favoritos

Melhores Livros de 2018 | Best Books Of 2018

24.12.18



 Adivinha só quem está aqui para escrever um post vergonhoso sobre como 2018 foi o pior ano de leitura dessa existência? Isso. Eu mesma \o/.
 Então, nesse espírito pouco estressante de final de ano, pegue seu panetone com sorvete e aproveite esse texto irônico, enquanto você procura uma sombra ou ventilador para não morrer cozido no calor de 40º graus que aparentemente dominou o país.

cassandra clare

Resenha: Dama Da Meia-Noite (Os Artifícios Das Trevas #1) - Cassandra Clare

17.12.18



 Como já dizia Gal Costa, "Quando vim para esse mundo, eu não atinava em nada, hoje eu estou destinada a sofrer com parabatais amaldiçoados e chorar feito uma desvairada". Não rimou, porém o sentimento é verídico.
 Em "Dama Da Meia-Noite", Cassandra Clare - também conhecida como destruidora do emocional de todos os seus leitores - narra a estória de Emma Carstairs e Julian Blackthorn. Dois Shadowhunters que tornaram-se órfãos após o fim da Guerra Maligna - aquela que aconteceu lá em "Cidade Do Fogo Celestial" - e agora buscam a vingança e a verdade por trás do assassinato dos pais de Emma, os quais morreram com marcas e símbolos desconhecidos gravados em seus corpos.
 Não bastasse essa investigação que move todo o enredo principal, Emma ainda tem que lidar com os estranhos sentimentos descobertos por seu parabatai, enquanto Julian luta para criar seus irmãos menores e segurar todos os segredos que vem escondendo desde os doze anos de idade.
 Apesar de "Dama Da Meia-Noite" fazer parte desse universo de Caçadores de Sombras criado por Cassandra Clare em 2006, acredito que novos leitores conseguirão entender perfeitamente essa nova obra da autora - mesmo sem terem tido qualquer contato prévio com seus outros romances - simplesmente por que os capítulos iniciais desse livro fazem um apanhado geral sobre tudo aquilo que você precisa saber para compreender o enredo.

clube dos sobreviventes

Resenha: Um Acordo e Nada Mais (Clube dos Sobreviventes #2) - Mary Balogh

5.12.18


 Sophia Fry é uma pessoa excluída da sociedade. Após a morte de seu pai, a garota passou a viver basicamente de favores nas casas de todo e qualquer parente próximo. Conhecida como a "Ratinha" entre seus tios e primos, a dama consegue a proeza de chamar a atenção do Visconde Darleigh.
 Vincent - outro membro do "Clube Dos Sobreviventes" - teve sua primeira participação na guerra interrompida permanentemente, ao acidentar-se com o disparo de um canhão e perder sua visão. Não bastasse sua recuperação mental, o jovem agora tem que lidar com o novo título de Visconde que lhe foi incumbido. Fugindo da mãe e irmãs, as quais tentavam-no arranjar um casamento, o rapaz volta a sua antiga casa de infância e lá conhece a família de Sophia.
 A senhorita Fry, ao notar o interesse - não tão genuíno assim - da prima em agarrar Vicent e sua fortuna com as duas mãos, impede os planos da moça, apenas para ver-se despejada de casa. E o Visconde Darleigh - como o homem honrado que é - prontamente oferece uma solução para os problemas da dama recém-abandonada: unir-se a ele em sagrado matrimônio.
 Como nenhum dos dois tinham planos de casarem-se em um futuro próximo, Vicent faz uma proposta à moça: eles passariam apenas um ano juntos e depois cada um poderia fazer de sua vida aquilo que bem desejasse. E simples assim, Sophia Fry deixou de ser a "Ratinha" para tornar-se uma Viscondessa.

beatriz l. matero

Resenha: Todos Os Clichês De Lady Olivia - Beatriz L. Matero

30.11.18


 Londres, 1880
Lady Olivia estava perfeitamente satisfeita com sua rotina como dama de companhia. Aos 23 anos, a jovem do século XIX, desejava apenas uma coisa: possuir dinheiro suficiente para um dia abrir sua própria escola e trabalhar como preceptora.
Portanto, quando surgem os rumores de que seu falecido pai, o antecessor Duque de Winterfell, deixou um tesouro escondido em sua antiga propriedade, Liv não hesita em invadir a casa de infância e vasculhar todos os recôncavos do local em um plano que ela acreditava ser infalível até o enigmático Lorde Theodoro Balti surgir em seu campo de visão.

 Brasil, Dias Atuais
No auge de seus 26 anos, Theo nunca imaginou que – em uma fatídica tarde de terça-feira – ao vasculhar o computador da irmã e modificar o desfecho de um romance de época escrito pela caçula, ele seria envolvido por uma assustadora escuridão e transportado até o universo fictício, como punição por alterar o final feliz de tal livro.
Agora o rapaz, preso em uma Londres iluminada apenas a luz de velas, deverá seguir todos os clichês do gênero para retornar até a sua realidade. Perdido entre carruagens, bailes e os dourados olhos de Lady Olivia, Theodoro Balti precisará ajudar a protagonista da obra a alcançar seu final feliz, enquanto tenta resistir ao clichê mais difícil de não apaixonar-se pela dama

a darker shade of magic

Resenha: Um Tom Mais Escuro de Magia (Tons de Magia #1) - V.E. Schwab

15.11.18


 "Um Tom Mais Escuro de Magia" é aquele livro que veio restaurar a fé na humanidade e salvar meu universo literário - basicamente jogado aos pedaços - de entrar em total e completo colapso. Mas antes de tecer elogios para a escrita fantástica de V.E. Schwab, deixe-me fazer um breve resumo da narrativa.
 Em um mundo mágico dividido entre quatro Londres diferentes - Vermelha, Cinza, Branca e Preta - Kell é um dos últimos Viajantes - seres que conseguem transitar entre os universos - existentes em seu tempo.
 Proibido de coletar objetos de qualquer uma dessas Londres, Kell - como o feiticeiro rebelde que é - ignora esse aviso e inicia um comércio ilegal de troca entre colecionadores e outros magos em uma taberna local. Tudo transcorria as mil maravilhas, até uma garota interceptar Kell e entregar-lhe uma pedra misteriosa, solicitando ao rapaz que ele enviasse o pertence para um ente querido que residia em uma outra variação do mesmo país.
 Sem tempo para analisar o objeto ou o pedido em questão, o garoto viaja até a Londres Cinza e imediatamente depara-se com Delilah Bard - uma ladra com aspirações a pirata - em um beco sombrio da cidade. Envolto na confusão da situação ao descobrir que a pedra preta em seu bolso representava uma antiga e maligna magia proveniente da Londres Negra, Kell nem ao menos percebe quando Lila rouba o objeto de seu casaco e foge de seu alcance.
 Procurando a garota a fim de recuperar aquilo que lhe pertencia, o rapaz de um olho claro e o outro completamente negro, vê-se diante de um conflito envolvendo poderes antigos, que ele sequer imaginou existir. 

eu perdi o rumo

Resenha: Eu Perdi O Rumo - Gayle Forman

2.11.18


"Está tudo bem, não está? (...) Mais tarde, Nathaniel se deu conta de que não era exatamente uma pergunta. As pessoas queriam se tranquilizar, se livrar da situação difícil. Então, por mais que nada estivesse bem, nada certo, por mais que ele fosse um sapo fervendo numa panela, por mais que estivesse sendo tragado pelo chão sob seus pés, ele respondia: "Está tudo bem."
Uma mentira deslavada. Quando é que está tudo bem?"

 Ler livros da Gayle Forman é a maneira mais acessível de fazer terapia nos dias atuais. Desde seu romance de estreia, até suas outras obras mais adultas, cada texto dessa autora apresenta uma questão moral e filosófica para reflexão do leitor no decorrer de suas páginas.
 E "Eu Perdi O Rumo" segue essa mesma característica marcante da autora. Com três personagens completamente distintos Gayle Forman nos apresenta a estória de Freya, a garota que perdeu sua voz, Harun, o rapaz que  perdeu seu amor e Nathaniel, o menino que perdeu sua definição de família.
 Encontrando-se por acaso em um acidente protagonizado nas ruas de Nova York, o destino desses três adolescentes se intercalam e juntos eles passam o período de um dia tentando ajudar uns aos outros a superarem suas próprias perdas.

and I darken

Resenha: Filha Das Trevas (Saga da Conquistadora #1) - Kiersten White

20.10.18


"Though Lada did not know what would happen, she was certain of two things:
It would hurt, and she would need to be strong"

 "Filha Das Trevas" de Kiersten White é o primeiro volume da trilogia intitulada "Saga Da Conquistora" e conta a estória de Lada Dragwlya e seu irmão Radu, filhos de Vlad Dracul, o temido Príncipe de Valáquia que uniu-se a Ordem do Dragão para lutar contra o Império Otomano. Uma missão a qual não foi bem sucedida e o fez entregar seus únicos filhos para a corte inimiga.
 Desde crianças Lada e Radu são exilados em um país estrangeiro com costumes e religiões diferentes do familiar catolicismo. Aprendendo-se a adaptar, o bom e querido Radu aceita facilmente essa nova corte como sua casa, já a rebelde e determinada Lada reluta em esquecer Valáquia.
 A união complicada entre os irmãos, apenas torna-se mais emaranhada, quando a figura de Mehmed - filho do sultão - surge em suas vidas, dividindo seus sentimentos.
 Em um período marcado por lutas em busca de terras e guerras travadas em nome da religião, Lada e Radu devem escolher entre seus laços familiares, o amor por Mehmed ou seu desejo de voltarem para Valáquia e reconquistarem o país que é seu por direito de nascimento, nessa belíssima reinterpretação da história verídica de Vlad, o Empalador.

a duquesa feia

Resenha: A Duquesa Feia (Contos de Fadas #3) - Eloisa James

22.9.18


 "A Duquesa Feia" narra a estória de Theodora Saxby, uma debutante rica, porém feia perante os padrões da sociedade. Após a morte de seu pai, Theo passou a ser tutelada pelo pai de James Ryburn e juntos os dois protagonistas dessa narrativa crescem unidos até tornarem-se jovem adultos com os hormônios à flor da pele.
 Sem qualquer pensamento amoroso com relação a garota que morou em sua casa desde pequena, James é surpreendido ao ver-se obrigado a casar-se com a moça, pois seu pai basicamente levou a menina a falência utilizando o dinheiro de seu dote para cobrir suas infinitas dívidas.
 Lutando contra o senso de honra e a amizade com Theo, James acaba pedindo-a em casamento. Afinal, após beijar a menina, ele descobre que - ao contrário do que pensava - já nutria sentimentos pela amiga.
 O que o pobre rapaz não esperava era que Theodora descobrisse as artimanhas do pai (já repeti a palavra "pai" umas quinhentas mil vezes aqui, relevem) e abandonasse-o ao deus-dará. Agora, o que a sinopse do livro não nos conta, é que Theo e James passam quase sete anos separados e meio que vários nadas acontecem durante esse tempo - socorro.
 Portanto, quando o homem retorna para a vida de Theo e descobre que o famoso "patinho feio" transformou-se em um "cisne", ele não medirá esforços para ter a esposa em seus braços novamente.

agentes da coroa

Resenha: Como Se Casar Com Um Marquês (Agentes Da Coroa #2) - Julia Quinn

23.8.18


"Santo Deus, havia se tornado uma perfeita idiota. Estava conversando com um livro. Um livro! Que não tinha qualquer poder, que não mudaria a vida dela e que certamente não responderia quando ela fosse estúpida a ponto de falar com ele.
Era só um livro. Um objeto inanimado. O único poder que ele detinha era o que ela mesma escolhera lhe dar. Só poderia ser importante na vida dela se ela permitisse."

 Já é possível afirmar que os livros da pequena saga "Agentes Da Coroa" de Julia Quinn foram as melhores descobertas literárias desse ano e eu estou até agora indignada comigo mesma por não ter pegado essas obras antes.
 Em "Como Se Casar Com Um Marquês" - segundo e último livro dessa duologia, o leitor é agraciado com a estória de James, também conhecido como o encantador marquês de Riverdale e sua mocinha, Elizabeth Hotchkiss.
 Quando a tia de James, lady Danbury, começa a ser chantageada por um desconhecido a senhora prontamente chama o sobrinho à sua propriedade para desvendar o mistério daquele que está aproveitando-se de seus segredos.
 Afastado de sua antiga vida como agente, James surge disfarçado de um pobre administrador da propriedade e logo passa a investigar todos os membros que habitam a casa da tia, incluindo a srta. Hotchkiss.
 Elizabeth é a dama de companhia de lady Danbury e apesar de trabalhar para a senhora durante cinco anos, ela ainda não consegue ganhar o suficiente para sustentar seus três irmãos mais novos e mandar o único herdeiro da família para a escola.
 Precisando casar-se com alguém da aristocracia, Lizzie encontra um pequeno livrinho na biblioteca de lady Danbury, intitulado "Como Se Casar Com Um Marquês" e em um momento de desespero ela rouba a obra e decide praticar os decretos ali inseridos com o novo administrador da propriedade, o qual após descobrir seu segredo, mais do que alegremente oferece seus serviços para auxiliar a moça em seu problema.

bienal do livro de são paulo

Bienal do Livro SP 2018 + Book Haul

12.8.18

fotos autorais

 A Bienal de São Paulo mal chegou e já foi embora. E devido a minha nostalgia por hoje - 12/08/1028 - ser o último dia do evento resolvi mostrar ao mundo minhas péssimas habilidades de fotógrafa amadora + compartilhar com você, caro leitor, o motivo pelo qual venderei um rim no próximo mês.

agentes da coroa

Resenha: Como Agarrar Uma Herdeira (Agentes Da Coroa #1) - Julia Quinn

21.7.18


 "Como Agarrar Uma Herdeira" é o primeiro livro da duologia "Agentes da Coroa" e narra a estória de Caroline Trent, uma moça de 20 anos que após perder os pais quando ainda jovem, viu-se perdida nos braços de inúmeros tutores - um pior que o outro - aguardando ansiosamente o dia em que completaria 21 anos para colocar as mãos em sua herança.
 Todavia, a situação desesperadora da garota atingiu seu estopim quando hospedada na casa de um suposto contrabandista, Caroline quase teve sua honra manchada pelo filho do homem, o qual planejara levá-la para cama na intenção de casar-se com ela e usufruir de sua fortuna.
 Arrumando seus poucos pertences e fugindo apenas com a roupa do corpo, Caroline depara-se com Blake Ravenscroft - um agente da Coroa - e é sequestrada pelo rapaz que confunde-a com uma perigosíssima espiã espanhola.
 E assim inicia-se essa epopeia protagonizada por esse casal não muito tradicional, criado por Julia Quinn.

a sombra do corvo

Resenha: Nevernight - A Sombra do Corvo (Nevernight #1) - Jay Kristoff

7.7.18


 É seguro declarar que "Nevernight - A Sombra do Corvo" de Jay Kristoff é um dos romances mais conflitantes dos últimos tempos. No universo literário você encontrará pessoas gritando: "O HYPE É REAL" de um lado, enquanto outras jogarão a obra lá para escanteio e nem ao menos terminarão sua leitura.
 No meu caso, consegui realizar a proeza de não me encaixar em nenhuma das opções anteriores, ficando realmente em cima do muro com a obra de Jay Kristoff. Mas tenho quase certeza de que se o vento soprar mais forte, cairei no time daqueles que simplesmente não entenderam o auê em torno desse livro.
 "Nevernight" apresenta uma bela e rebuscada sinopse oficial, apresentando ao leitor uma protagonista cheia de sangue nos olhos em uma cidade governada por Deuses impiedosos. Onde, num cenário excêntrico em que três sóis marcam o assassinato do pai de Mia Corvere e uma escuridão aterrorizadora toma conta da garota, ela procura treinamento e abrigo na Igreja Vermelha para poder vingar-se daqueles que executaram sua família.
 A meu ver, o verdadeiro resumo desse livro deveria ser: "Garota de 16 anos, após ver sua família ser destruída por uns imperadores poderosos, entra em uma escola de treinamento para assassinos - que na realidade parece uma mistura de Harry Potter com Academia de Vampiros - e fica presa por lá durante umas 400 páginas, fazendo migas, arrumando intrigas com as falsianes e transando com o crush nas horas vagas.
 Com notas de rodapé maiores do que a própria narrativa e uma linguagem rebuscada para mostrar o quanto o autor é o bonzão das palavras, seja você também, bem-vindo a Nevernight"  
 Se o livro tivesse sido vendido com essa sinopse, tenho certeza absoluta que iria com o espírito preparado para encarar esse falso calhamaço com menos de 500 páginas na versão original.

império das tormentas

Resenha: Império das Tormentas (Império das Tormentas #1) - Jon Skovron

20.6.18


 "Império das Tormentas" é o primeiro livro da adulta trilogia de fantasia envolvendo a vida de Red e Hope, protagonistas que aos oito anos de idade viram suas vidas transformarem-se de ponta cabeça ao perderem seus pais.
 Red, o belo garoto dos olhos vermelho, encontrou a velha assassina Sadie em uma situação delicada e desde pequeno a mulher criou o rapaz para tornar-se o melhor ladrão do império. Já Hope, após ser a única sobrevivente do massacre em seu vilarejo, caiu nas mãos de uma ordem religiosa - exclusivamente masculina - e lá foi treinada ilegalmente para ser uma guerreira vinchen.  
 Vivendo num verdadeiro império em ruínas, dominados pelos biomantes  - seres capazes de alterar as formas das pessoas vivas - Red e Hope devem unir suas forças para impedir que os avanços desse grupo dominem completamente a população remanescente de Nova Laven. 

clube dos sobreviventes

Resenha: Uma Proposta e Nada Mais (Clube dos Sobreviventes #1) - Mary Balogh

1.6.18


"Eu tinha que querer. Não porque precisasse provar algo a alguém (...) Não: só foi possível, Gwen, porque eu quis aquilo para mim. Tudo fluiu a partir desse desejo. As pessoas, sobretudo as religiosas, dão a entender que é errado, até mesmo pecado, amar a si mesmo. Não é. É o amor básico, essencial. Quando você não ama a si mesma, não tem condições de amar mais ninguém. Não de maneira completa e verdadeira"

 "Uma Proposta e Nada Mais" é o primeiro livro da nova série "O Clube dos Sobreviventes" de Mary Balogh e nele somos apresentados a estória de Hugo, também conhecido como lorde Trentham, um ex-soldado responsável por comandar uma missão suicida da qual foi um dos poucos sobreviventes.
 E ao retornar para casa, o homem depara-se com o falecimento de seu pai e uma nova responsabilidade cai sobre seus ombros ao assumir seu novo título aristocrático e cuidar da irmã e madrasta desamparadas. 
 Sozinho e ainda atordoado com seu passado, Hugo descobre que apenas uma esposa poderia ajudá-lo nessa nova etapa de sua vida. Eis então, que o rapaz conhece Gwen.
 A jovem viúva estava longe da perfeição, manca de uma perna devido a um terrível acidente de cavalo e com um antigo casamento permeado de infelicidades, a última coisa que Gwendoline queria era unir-se em sagrado matrimônio novamente. Todavia, ao encontrar lorde Trentham, a moça descobrirá que eles possuem mais em comum do que imaginavam.
 Ninguém está mais surpresa do que eu mesma, pelo quanto gostei desse novo livro de Mary Balogh. Após colocar o resto da série "Os Bedwins" na lista de espera, não iniciei essa leitura com grandes expectativas e foi uma verdadeira alegria encontrar - finalmente - um romance de época digno de seu gênero.

arc

Resenha: Miss Subways - David Duchovny

6.5.18


"It was rare that she was without a book - she favored nineteenth-centuty novels: George Eliot, Jane Austen, Charles Dickens - but this was one of those times she lacked printed matter (...) Ever since she could read, Emer had felt the compulsion to read and even reread - cereal boxes, toothpaste tubes, subway ads. She was a reader. It defined her."

 "Miss Subways" de David Duchovny é o terceiro romance publicado pelo autor, o qual conta a estória de Emer, uma mulher na casa de seus quarenta anos a qual teve um tumor no lobo temporal quando pequena e desde então sofre consequências alucinógenas de sua doença. 
 Morando em Nova York em um pequeno apartamento com seu namorado Con, a professora de educação infantil recebe inesperadamente a visita de um duende - por falta de melhor definição - o qual mostra para Emer seu futuro na tela de um smartphone
 Sid - o duende porteiro - exibe um vídeo onde Con encontra Ananzi - uma suposta deusa africana - e morre atropelado durante o encontro, porque o homem irritou os deuses antigos ao escrever um livro sobre sua cultura.
 Para salvar seu namorado, Sid diz que Emer deve desistir de seu desejo de envelhecer ao lado de Con. Somente dessa maneira o rapaz sobreviverá a fúria de Ananzi. O único problema é que ao fazer isso, Con não se lembraria de Emer e tudo aquilo que viveram juntos. E Emer estaria proibida de fazer qualquer tipo de contato com o rapaz, caso contrário seu sacrifício seria em vão e ele morreria novamente.
 Em um misto exagerado de realismo mágico com ficção adulta, o novo livro de David Duchovny conquista leitores de todas as idades.

julia quinn

Resenha: Mais Lindo Que A Lua (Irmãs Lyndon #1) - Julia Quinn

25.4.18


 Quando Julia Quinn iniciou sua obra com a seguinte carta ao leitor dizendo: "(...) dessa vez decidi fazer meu herói mergulhar de cabeça no amor já na primeira frase (...)", as minhas suspeitas de embuste foram confirmadas.
 Aos 24 anos, Robert encontra Victoria de 17 anos, andando bucolicamente em sua propriedade e resolve amá-la (é, simples assim). Só que o rapaz como um rico membro da aristocracia e a garota sendo uma mera filha do vigário, foram impedidos de concretizarem esse amor profundo devido as interferências de seus pais, os quais colocaram umas neuras nas cabeças furadas dos protagonistas e  os fizeram duvidar da veracidade de seus sentimentos.
 Mesmo assim, eles ignoram as paranoias e armam um plano de escaparem das garras patriarcais e serem felizes. Eis que no dia combinado para fugirem, tudo dá errado e os mocinhos apaixonados não conseguem viverem "felizes para sempre".
 O tempo passa (e um dia infelizmente a gente nunca aprende), Robert e Victoria se reencontram e iniciam novamente seu relacionamento, desvendando os mistérios do passado e se reconectando a cada dia que passa.

como se vingar de um cretino

Resenha: Como Se Vingar De Um Cretino - Suzanne Enoch

6.4.18


 Em primeiro lugar, fica aqui meu grito de felicidade: ESSA É A SUZANNE ENOCH QUE EU AMO E CONHEÇO. SAUDADES DE VOCÊ, SUA LINDA.
 Em segundo lugar, vamos a resenha: Anos atrás o visconde Dare participou de uma infeliz aposta entre amigos, a qual consistia em seduzir lady Georgiana Halley. E a pobre debutante inocente, caiu perfeitamente na armadilha orquestrada.
 Algum tempo depois - 6 anos, para ser exata - Georgiana resolve vingar-se do falido visconde, ao fazê-lo se apaixonar por ela só para poder destruir seu coração e ensinar-lhe a valiosa lição de que não deve-se brincar com os sentimentos alheios. Agora, todo mundo sabe como é que essa estória termina, não é mesmo?

batman

Resenha: Batman | Criaturas Da Noite (Lendas Da DC #2) - Marie Lu

11.3.18


 Cá estou eu, lendo livro do Batman, o meu herói - se é que podemos realmente considerá-lo diferente e especial de nós reles humanos - menos favorito da Liga da Justiça.
 Na saga "Lendas Da DC" composta por quatro livros, temos Marie Lu - famosa autora por sua trilogia "Legend" e "Jovens de Elite" - narrando a estória do jovem Bruce Wayne, antes mesmo dele se transformar na figura heroica de Batman.
 Vivendo na cidade de Gotham, ao completar seus 18 anos, Bruce envolve-se em um acidente problemático - culpa de sua personalidade impulsiva - e como consequência por suas ações o rapaz é sentenciado a prestar serviço comunitário no Asilo Arkham - o que na realidade não faz jus ao nome e funciona apenas como uma prisão para criminosos perigosos.
 Lá chegando - como todo adolescente com os hormônios a flor da pele - Bruce encontra a bela, enigmática e sedutora Madeleine. Uma das maiores integrantes de um grupo de delinquentes intitulados "Criaturas da Noite".
 Condenada por inúmeros assassinatos, a garota de longos cabelos negros e olhos misteriosos, se recusa a cooperar com a polícia da cidade sobre os planos de sua atual gangue, a qual - seguindo a filosofia Robin Hood de ser - está matando todos os ricaços de Gotham.
 Todavia, Wayne e seu charme de rico com alma de sofredor, acabam impressionando a garota e juntos eles iniciam uma interação perigosa demais para Bruce seguir sozinho. 

a viajante do tempo

Resenha: A Viajante Do Tempo (Outlander #1) - Diana Gabaldon

22.2.18


 "Outlander" e todo o seu universo representa o amor da minha vida. E com o relançamento das obras em novas - e maravilhosas - capas contendo as imagens de Sam Heughan e Caitriona Balfe, percebi que já estava mais do que na hora de escrever uma resenha/carta de amor para "A Viajante Do Tempo", primeiro volume dessa épica epopeia.
 Em 1945, Claire Randall, uma enfermeira recém-saída da assombrosa guerra mundial, tenta uma segunda lua de mel com seu marido Frank Randall, na bela e folclórica Escócia. Lá chegando, Claire - além de tentar rencontrar-se com o esposo - aproveita para explorar o atraente país, chegando até mesmo a presenciar deslumbrantes rituais e perscrutar a natureza local.
  E é em um desses seus passeios pelo bosque que a Sra. Randall depara-se com um círculo de pedras em Craigh na Dun. Como se ouvindo sons emitidos de outro mundo e sendo atraída por esse místico local, Claire apoia suas mãos em um dos monumentos e acaba sendo transportada para a Escócia no ano de 1743.
 Em um momento conflitante para o país, o qual encontrava-se em guerra com a Inglaterra, Claire encontra certo conforto na presença do forte guerreiro escocês James Fraser, fazendo com que a inquestionável decisão de voltar para Frank e sua atual vida, se transformasse em um conflito muito mais emaranhado, ao começar a questionar seus sentimentos pelo soldado ruivo das Terras Altas.

rainha das sombras

Resenha: Rainha Das Sombras (Throne Of Glass #4) - Sarah J. Maas

5.2.18


"We do not look back, Chaol. It helps no one and nothing to look back. We can only go on. 
There she was, that queen looking out at him, because it made him feel so strangely young - when she now seemed so old. "What if we go on," he said, "only to more pain and despair? What if we go on, only to find a horrible end waiting for us?
Aelin looked northward, as if she could see al the way to Terrasen, "Then it is not the end"

SPOILERS ALL THE WAY DOWN
NÃO ESPERE UMA RESENHA COESA E COERENTE

crooked kingdom

Resenha: The Language Of Thorns (Midnight Tales And Dangerous Magic) - Leigh Bardugo.

13.1.18


 "The Language Of Thorns" de Leigh Bardugo é uma coletânea de seis contos míticos envolvendo todo seu universo Grisha - o famoso grishaverse - agradando assim, leitores de sua trilogia original; "Sombra e Ossos", como aqueles que leram apenas sua nova duologia composta pelas obras de "Six Of Crows" e "Crooked Kingdom".
 Como fã da autora, "The Language Of Thorns" era um livro cujas expectativas estavam levemente elevadas, todavia a narrativa de Leigh Bardugo não surpreendeu muito durante essa leitura. Inclusive, alguns fãs perceberão rapidamente que a obra é composta por três contos já publicados online há alguns anos atrás. Portanto, apenas metade do livro apresenta conteúdo inédito.
 Com uma temática sombria e contos obscuros, Bardugo desenvolve perfeitamente as características específicas das fábulas. Temos personagens animais que apresentam traços humanos; protagonistas típicos e planos; uma prosa ritmítica e uma moral ao final de cada narrativa. 
 Os leitores já familiarizados com as versões sombrias dos originais contos de fada da Disney, pouco se surpreenderão com o estilo adotado pela autora, visto que cada uma de suas fábulas apresenta algum tipo de referência à esses antigos e consagrados enredos.