favoritos

Resenha: Um Perfeito Cavalheiro - Julia Quin (Os Bridgertons #3)

22.3.16


 Senhoras e Senhores, leitores dessa humilde resenha, que fique registrado para conhecimento universal as seguintes constatações: 1º É ASSIM QUE UM ROMANCE DE ÉPOCA DEVE SER ESCRITO e 2º JULIA QUINN É RAINHA UNIVERSAL DESSE GÊNERO.
 Se por algum motivo desconhecido, você ainda não leu "O Duque e Eu" ou "O Visconde que Me Amava", espero poder te convencer no decorrer desse texto a ler uma das melhores séries de romance que o universo já viu (nota-se que eu não irei me controlar durante essa resenha, porque tenho muito amor guardado no meu coração).
 Antes de todos os elogios e declarações românticas à autora, vamos ao resumo da obra. Em "Um Perfeito Cavalheiro" temos a história de Benedict Bridgerton, o famoso "filho número dois" da família Bridgerton. 
 Assim como todos os seus irmãos, nosso mocinho também enfrentava a pressão da mãe para casar-se rapidamente e estabelecer sua própria família, só que o bondoso rapaz não tinha interesse por nenhuma garota de seu ciclo social e limitava cada vez mais suas interações nos bailes e festas organizados pela matriarca.
 Porém em um baile de máscaras oferecido na Casa dos Bridgertons, Benedict finalmente encontra sua alma gêmea. Uma misteriosa dama trajando um vestido prateado roubou toda a capacidade de raciocínio lógico do rapaz, fazendo-o apaixonar-se imediatamente por sua personalidade vibrante e corpo curvilíneo.
 No entanto a alegria e esperança de nosso herói durou poucas horas, pois quando o relógio soou meia-noite, a dama mascarada fugiu de seus braços sem sequer dizer-lhe seu nome. Desesperado para encontrá-la novamente, Benedict lembra-se que a garota esqueceu um par de luvas com ele e utilizando essa única peça, o moço inicia sua interminável busca pela mulher que roubou seu coração.
 Mal sabia o mocinho que a dama do vestido prateado estava longe de ser a garota aristocrática perfeita. Sophie Beckett era simplesmente a filha bastarda de um conde, sendo conhecida atualmente como mais um membro da criadagem da Penwood Park.
 Após 20 anos sujeitando-se a todo tipo de trabalho escravo dentro da mansão mantida por sua madrasta Araminta, Sophie (com a ajuda das outras empregadas) teve a oportunidade de viver uma única noite mágica ao entrar indevidamente no baile da família Bridgerton para dançar e se apaixonar perdidamente por Benedict (seu verdadeiro príncipe encantado). 
 Porém viver de sonhos e ilusões mostrou ser mais fácil do que encarar a triste realidade, uma vez que Sophie reencontra Benedict, após três anos de sua fuga durante o baile, e o rapaz simplesmente não a reconhece. Para piorar ainda mais a situação, ambos se apaixonam novamente e nosso herói pede à garota que ela se torne sua amante, já que seria impossível eles se casarem sendo de classes diferentes.
 Em uma adaptação do clássico conto de fadas "Cinderela", Julia Quinn cria com maestria um dos melhores romances de época já escritos. Agora finalmente chegou a hora de você colocar Bibbidi-Bobbidi-Boo para tocar e ser feliz comigo nos parágrafos seguintes, pois não consigo mais controlar o entusiasmo.

as peças infernais

Resenha: Príncipe Mecânico (As Peças Infernais #2) - Cassandra Clare

9.3.16


 Em 1º lugar: Se você não leu "Anjo Mecânico" saia imediatamente dessa resenha e volte após a leitura da obra (clique no título do livro para ler minha humilde opinião sobre o primeiro volume dessa trilogia maravilhosa que todos deveriam ler).
 Em 2º lugar: Eu vou surtar em vários momentos da resenha, então preparem-se para momentos de grande histeria e fangirl. Avisos feitos e corações preparados, vamos ao breve resumo de "Príncipe Mecânico".
 Dando sequência aos múltiplos problemas enfrentados pelos membros do Instituto é a vez de Charlotte sofrer as consequências pelo fracasso na prisão do Magistrado e a fuga de Nate Gray que estava sob sua custódia. 
 O inimigo número um da moça, Benedict Lightwood, quer governar o Instituto londrino e portanto em uma reunião da Clave, o Cônsul resolve colocar um curto prazo para que os Caçadores de Sombras encontrem Mortmain. Caso eles falhem em sua missão, a direção do instituto passará à família Lightwood.
 Charlotte; Henry; Will; Jem e Tessa unem-se em uma busca pelo passado do Magistrado e descobrem que seu ódio pelos Shadowhunters envolve questões extremamente pessoais, porém nenhum desses motivos explicam a importância de Tessa em seu plano diabólico.
 Não bastasse a impossível tarefa de lidar com o criador dos monstros mecânicos, o leitor deve ainda sofrer com o enigma que ronda Will Herondale e suas inúmeras sessões com Magnus Bane para encontrar um demônio misterioso que aparentemente lançou uma maldição sobre o garoto.
 Adicione também a lista de inúmeros acontecimentos o desenvolvimento amoroso entre Tessa e Jem; o estranho comportamento noturno de Jessamine; os irmãos Lightwood que irão aparecer para render ótimas cenas e ainda por cima Cassandra Clare nos deu o prazer de ler um capítulo completo sobre um baile de máscara (LIFE IS NOW COMPLETE).
 Melhor do que "Anjo Mecânico", o segundo livro supera todas as expectativas. Com muito drama; revelações bombásticas e cenas de ação, Clare consegue "amarrar" todos os personagens e suas respectivas histórias de forma impecável.
  Como necessito ser uma pessoa feliz e expor os acontecimentos que mais gostei durante a leitura, sinto informar que a partir do parágrafo seguinte esta resenha terá spoilers.