sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Resenha: Trono de Vidro (Throne of Glass #1) - Sarah J. Mass


“I can survive well enough on my own— if given the proper reading material.”

 Após ficar apaixonada por "Corte de Espinhos de Rosas" da Sarah J. Mass (clique no título para ler a resenha), resolvi finalmente ler "Trono de Vidro" que é outra famosíssima série da autora, porém voltada para um público mais jovem.
 Tinha altas expectativas para o primeiro volume dessa série e pode-se dizer que alguns aspectos foram condizentes com aquilo que esperava, enquanto outros ficaram abaixo do nível da escrita produzida por Sarah J. Mass.
 Em "Trono de Vidro" o leitor é apresentado à  Celaena Sardothien, uma famosa assassina de dezoito anos que atualmente está escravizada nas minas de sal em Endovier cumprindo punição por seus crimes. 
 Porém seu longo encarceramento é interrompido pela chegada do príncipe Dorian e seu fiel escudeiro Chaol que vieram buscar a moça na intenção de leva-lá ao castelo em Adarlan. Ambos os rapazes fazem a seguinte proposta para a garota: ela irá com eles ao palácio; lá lutará com vários outros assassinos do reino em nome do príncipe Dorian e fará todo o possível para conquistar o título de "Campeã" do Rei no final da competição.
 Totalmente desgostosa com a ideia de trabalhar para o mesmo Rei que a aprisionou nas minas de sal, Celaena impõe uma condição aos homens: caso ganhe a disputa, irá ficar apenas quatro anos sob o serviço do Rei e depois disso seria livre para viver sua vida fora dos muros do castelo.
 Os três então entram em comum acordo e partem rumo à Adarlan, porém engana-se quem pensou que a batalha entre assassinos seria a única dificuldade desse enredo. Como uma boa obra de fantasia, outros elementos sobrenaturais, tais como: demônios; fadas; bruxas; monstros; espirítos e até mesmo a existência de um universo paralelo, aparecem no decorrer da trama.
 Sem falar ainda dos componentes essenciais para um bom livro jovem adulto que baseiam-se na formação de laços de amizade e na criação de um triângulo amoroso. Então, já deu para perceber que a vida da mocinha ficou bastante atarefada durante a narrativa.
 Apesar das boas ideias para o enredo, "Trono de Vidro" é literariamente uma obra inferior quando comparada à "Corte de Espinhos e Rosas", tanto na questão da escrita quanto na elaboração dos personagens.
  Em seu livro de estreia, Sarah J. Mass mostra que a série tem potencial para evoluir e expandir seu universo, porém não há como negar a decepção que tive durante a leitura ao perceber como a escrita da autora estava bem mais simples e jovial. Senti falta das descrições elaboradas e de uma maior explicação e ambientação sobre o passado dos personagens; do reino e até mesmo dos acontecimentos sobrenaturais.
 E isso nos leva ao meu maior problema com esse livro, que foi o desenvolvimento de todos os personagens. Celaena Sardothien, nossa protagonista, é uma das maiores assassinas de Adarlan, porém em nenhum momento o leitor consegue entender o motivo pelo qual ela ganhou tal fama (e verdade seja dita a moça nem chegou a assassinar alguém nesse livro para exemplificar sua reputação). Assim como também fica inexplicado o motivo pelo qual ela foi presa nas minas de sal.
 O leitor passa todo o enredo lendo sobre o quanto a moça é temida por todos, tornando-se quase um mito entre o povo de Adarlan, porém a razão para tamanha comoção nunca é explicada. Descobri então que a autora fez um livro de contos chamado "A Lâmina da Assassina" para sanar todas essas dúvidas, entretanto pergunto-me se não seria mais fácil ter feito uma narrativa mais elaborada ao invés de adicionar outro volume à essa série.
 Infelizmente não foi só a heroína que ficou prejudicada por essa falta de profundidade, os protagonistas masculinos também sofreram as consequências, pois Dorian e Chaol não receberam a devida ênfase durante a narrativa.
 Os rapazes que deveriam protagonizar o triângulo amoroso, ficaram levemente avulsos no enredo e eu não consegui morrer de amores por nenhum deles, justamente porque a autora não marcou apropriadamente suas personalidades e histórias. Fato esse que prejudicou bastante o romance, pois em nenhum momento fui capaz de acreditar que os homens nutriam sentimentos verdadeiros pela moça.
 Adoro ler romance, porém "Trono de Vidro" melhoraria consideravelmente sem essa parte amorosa, visto que ela não agrega em nada a narrativa. Celaena é uma protagonista tão forte que apenas ler sobre ela e o o universo fantástico no qual a garota está inserida, já seria suficiente.
 E finalmente chegamos a melhor parte desse livro que foi toda a mitologia criada por Sarah J. Mass, junto com a maravilhosa ambientação medieval da narrativa. Dentre os milhões de livros que foram lançados visando esse período histórico, pode-se dizer que esse está no ápice da minha lista.
 Mesmo sendo uma ficção, a autora manteve alguns costumes que seriam pertinentes à época e foi impossível não relacionar a obra ao seriado de televisão "Reign", onde nós temos o Rei maluco; o príncipe valente; o guarda que resolve tudo; as damas da corte que procuram maridos ricos e disputam a atenção de Dorian assim como outras inúmeras conspirações e tramas que fazem parte de qualquer castelo.
 Vale ressaltar que enquanto o romance não deu certo, a amizade de Celaena com Nehemia funcionou perfeitamente e adoraria ler mais sobre essa princesa, seu reino e costumes. Ainda bem que a moça permanecerá na corte e provavelmente estará no segundo livro.
 Ao meu ver, as personagens femininas salvaram o enredo, pois fazia muito tempo que não lia uma protagonista como Celaena. A moça (apesar de convencida na maior parte do tempo) é um exemplo de superação, força de vontade e girl power. Sua caracterização, quase naturalista, faz o leitor querer acompanhar sua jornada e (com sorte) presenciar seu amadurecimento no decorrer das obras.
 Apesar de toda a crítica prevalecente nessa resenha, eu adorei o livro e definitivamente lerei a série. Acredito que Sarah J. Mass evoluiu bastante como autora e a tendência dessa saga é progredir também.
 O que quero dizer de maneira menos enrolada é que alguma coisa nessa obra (não descobri o que foi ainda) fez com que eu me apegasse aos personagens e ao enredo, querendo ler avidamente o que irá acontecer em suas vidas como se eles fossem reais. Então aguardem brevemente resenha de "Coroa da Meia-Noite", pois eu já sai correndo para comprar a continuação.


Classificação: 3.5 de 5 estrelas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário