Resenha: Apenas Um Dia - Gayle Forman

17.12.15


 Um fato que precisa estar claro na mente de todos os seres humanos é que: Gayle Forman é uma das melhores autoras de livros jovens adultos nesse mundo. Como diria Jane Austen, isso "é uma verdade universalmente conhecida" e incontestável. 
 "Apenas Um Dia" é mais uma obra de Forman que foi executada com a maestria de uma sinfonia perfeita, pois todos os elementos encaixam-se impecavelmente para compor a história de Allyson e Williem.
 Nossa heroína é a típica garota certinha, organizada e sistemática. Aos dezoito anos, Allyson ganha de presente de formatura do ensino médio, um pacote de viagens para conhecer todos os países da Europa com sua melhor amiga Melanie.
 Com idade para beber e aproveitar todas as festas e bares europeus, Allyson segue à risca todas as regras estipuladas pelos monitores e em nenhum momento foge das atividades planejadas previamente no itinerário da viagem, porém algo desperta na garota ao encontrar um rapaz misterioso enquanto estava na fila de um teatro londrino para assistir à peça Hamlet de Shakespeare.
 O desconhecido (alto, louro e de olhos castanhos escuros) aborda Allyson e Melanie com um panfleto convidando-as para assistirem Noite de Reis, outra peça shakespeariana que está sendo apresentada por ele e outros garotos de sua companhia teatral. 
 Em um momento aventureiro, Allyson convence sua amiga a mentir para a superiora da viagem e ambas embarcam nessa viagem ao ao livre com um menino desconhecido e sua reinterpretação de Shakespeare.
 A aventura noturna que deveria ter durado apenas algumas horas, estende-se no trem que as garotas embarcam para voltarem ao lar. Durante o café da manhã, Allyson encontra o misterioso menino, cujo nome ela descobre ser Willem e a conexão entre ambos é instantânea (também quem não iria identificar-se com uma garoto cuja comida preferida é pão e nutella?).
 Pronta para dizer adeus ao desembarcar do trem, nossa heroína vê um painel de embarque para Paris e lamenta-se com Willem sobre não ter conseguido conhecer o país que mais queria durante seu tour e são nesses rápidos segundos de insatisfação que a garota não hesita em aceitar o convite de nosso mocinho para aventurar-se com ele em apenas um dia na capital do amor.
 Resta saber se apenas um dia será suficiente para Allyson e Willem descobrirem e encontrarem tudo aquilo que procuram. Apesar do período limitado de tempos juntos, as consequências dessa primeira aventura perdurarão em Allyson por mais de um ano, fazendo a garota repensar toda sua vida e futuro.
 Sinto informar que a partir do próximo parágrafo essa resenha terá spoilers, necessito comentar sobre alguns trechos desse livro e expor todo meu sentimento com relação ao final da obra. Portanto se você não leu "Apenas Um Dia" recomendo sua leitura imediatamente, Gayle Forman escreve uma história extremamente verossimilhante e cativante na qual o leitor identifica-se com a protagonista e seus dilemas, então leiam a obra e voltem para ler a resenha. Já você que leu esse livro, está cordialmente convidado à prosseguir na leitura do próximo parágrafo. 
 Logo no início da narrativa o leitor é surpreendido com uma verdadeira "enxurrada" de 150 páginas sobre Willem e Allyson juntos em Paris, pois a autora divide o livro em duas partes; sendo a primeira intitulada "Um Dia" e a segunda "Um Ano".
 Nem é preciso dizer o quanto a leitura é rápida durante essas páginas iniciais, pois o casal cativa imediatamente o leitor com suas personalidades e descobertas. Logo no primeiro encontro entre os protagonistas tive a sensação de estar relendo diálogos do filme Titanic, quando Jack (o garoto sem moradia fixa e viajante constante) convida Rose (a garota certinha que vive em um mundo de regras) para viver uma aventura verdadeira.
 Ao aceitar o convite de um desconhecido, Allyson imediatamente encara a situação como uma outra pessoa, tanto que não corrige Willem quando o garoto carinhosamente resolve chamá-la de Lulu em homenagem à uma famosa atriz francesa, fisicamente parecida com Allyson.
 Assumindo uma nova personalidade sob o pseudônimo de Lulu, a garota vive um dos momentos mais intensos e carpe diem de toda sua vida, por um dia ela desapega-se dos padrões pré-estabelecidos por todos ao seu redor e simplesmente passa a sentir a fluidez e efemeridade do tempo, vivenciando as consequências de apaixonar-se e entregar-se ao desconhecido e o acaso das situações.
 Apesar de todo o arcadismo da primeira parte dessa obra, após entregar-se para Willem durante sua primeira e última noite juntos, a garota desperta na manhã seguinte para encontrar-se sozinha, sem o menor sinal do garoto que provavelmente era sua alma gêmea.
 Inicia-se assim a segunda parte do livro "Um Ano", que narra como esses acontecimentos influenciaram Allyson e é nesse momento que as habilidades de Gayle Forman aparecem. Nossa heroína retorna à Boston para cursar faculdade de medicina, já que desde os treze anos sua mãe calculou meticulosamente o caminho de sua filha.
 O futuro que teria tudo para ser brilhante, transforma-se em algo incerto e indesejoso, pois Allyson entra em um verdadeiro estado depressivo e de torpor consigo e a vida ao seu redor. Há conflitos sobre sua carreira e curso universitário, brigas com a mãe, novas amizades, afastamento de velhos amigos e acima de tudo autoconhecimento.

"E é nesse momento que entendo que eu fiquei marcada para sempre. Independentemente de se ainda estou apaixonada por ele, se ele algum dia foi apaixonado por mim e está apaixonado por outra pessoa agora, Willem mudou minha vida. Ele me mostrou como me perder, e então eu mostrei a mim mesma como me encontrar.
Talvez acaso não seja a palavra certa, ao final. Talvez seja milagre.
Ou talvez não seja um milagre. Talvez seja simplesmente a vida. Quando a gente se abre para ela. Quando se coloca no caminho dela. Quando diz sim."

 O amadurecimento de Allyson após esse encontro é visível e Gayle Forman, utiliza toda sua sensibilidade e os dizeres de Shakespeare sobre "ser ou não sei, eis a questão" para transcrever esse momento tão difícil na vida de todos nós que é a passagem para a vida adulta.
 Durante todo o livro, nossa heroína diz sentir um vazio inexplicável, questiona sobre como era sua vida no colégio e o que aconteceu com a garota adolescente que sempre foi. São justamente esses problemas que causam uma grande identificação do leitor com a obra, pois todos que já alcançaram ou ultrapassaram os dezoito anos sabem exatamente o quanto é difícil encontrar-se, tomar decisões e ter que lidar com a perda da visão inocente sobra a qual encarávamos o mundo.
 O que me impediu de dar cinco estrelas para esse livro foi a inexistência do final. Nas páginas finais Allyson resolve lutar contra sua família e voltar à Paris para procurar Willem, porém quando a garota finalmente encontra o rapaz o livro termina. Fica registrado nessa resenha o quanto eu odeio finais que ficam "abertos", ainda mais nessa narrativa que a mocinha passou o livro todo atrás do garoto.
 A questão da busca obsessiva por Willem foi algo que me incomodou um pouco, pois acredito que Allyson fantasiou e romantizou demais sua figura. Apesar da incrível conexão que ambos tiveram, a menina não sabia nada sobre o rapaz e na minha visão durante a leitura, Willem já havia cumprido seu papel de tirar Allyson de sua "redoma de vidro" fazendo-a amadurecer, tornando-o levemente desnecessário para o desfecho.
 Talvez seja esse o motivo pelo qual a autora não finalizou a história de ambos, já que após um ano separados esse  relacionamento tornou-se insubstancial demais para uma verdadeira história de amor concreta.
 Não acredito que "Apenas Um Dia" seja apenas um romance entre um garoto e uma garota, interpretei a escrita de Gayle Forman, como algo voltado para o crescimento interno de Allyson e todas as consequências que surgem ao amadurecermos, exemplificando como pessoas ou situações podem nos fazer mudar.
 Apesar dos problemas encontrados no desfecho (que são descendentes de uma interpretação pessoal), mesmo reclamando de Willem comprei  o ebook de "Apenas Um Ano" e também o conto "Just One Night" (sem tradução no Brasil), pois fiquei curiosa demais para saber o que nosso mocinho aprontou depois daquele dia e também quero ler sobre a noite em que ambos se encontraram.
 Uma leitura mais do que recomendada para todos os jovens adultos que também sentem-se perdidos nesse mundo cheio de escolhas e caminhos, Gayle Forman irá te mostrar que não tem problema sentir-se estranho às vezes.


Classificação: 4 de 5 estrelas.

Leia Também

3 comentários

  1. Que resenha mais amooor <3 E essa fotinho linda? AMEI! Mas enfim... voltando ao meu estado normal ahaha Tenho muita vontade de ler esse livro. Tanta gente fala bem dele. A própria Bia, que escreve o blog comigo, já leu e vive insistindo pra eu ler logo. Vou colocar nas prioridades para o primeiro semestre de 2016 (porque dezembro já tá meio conturbado, literariamente falando hahaha).

    Beijinhos,
    Ana.
    http://nasuaestanteblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ana, fico feliz que você gostou da foto e da resenha. Escute os conselhos da sua amiga Bia e dessa Bia aqui e leia esse livro em 2016, certeza que você não irá se arrepender .)

      Excluir
  2. Assim como a menina de cima, adorei a foto também. Eu já li outro livro dessa autora e até que gostei, talvez algum dia eu leia outros, haha.
    Gostei do blog, seguindo!
    Ah, bia, meu blog é recente então se quiser me dar uma força e ir lá ver, eu ficaria muuuito agradecida. Muito obrigada. ♥
    sonaorepareabagunca.blogspot.com

    ResponderExcluir