Resenha: Segredos de Uma Noite de Verão (As Quatro Estações do Amor #1) - Lisa Kleypas

28.9.15


"Para desconforto de Annabelle, ela não conseguia desviar o seu olhar do dele. Parecia que uma sensação sutil de reconhecimento ocorrera entre os dois - não como se tivessem se encontrado antes, mas como se tivessem chegado perto um do outro várias vezes até que por fim um destino impaciente forçara seus caminhos a se cruzarem."

 Obrigada destino por unir minha vida com o melhor romance de época que eu já li durante a última década (sem exageros). "Segredos de uma noite e verão" de Lisa Kleypas ganhou todo o meu coração e provavelmente me deixará com uma ressaca literária intensa e duradoura.
 Não é de hoje que eu me considero uma fã de carteirinha da autora, tendo me apaixonado perdidamente pela série "Os Hathaway" publicada na íntegra pela editora Arqueiro aqui no Brasil (se você não leu os livros da melhor família literária já existente, corra agora para uma livraria e garanta todos os exemplares). 
 Lisa Kleypas tornou-se sinônimo de referência literária para todos os outros livros do gênero, permanecendo imbatível no topo da minha lista de melhores autoras de romance histórico, sendo possível comprovar seu status elevado ao resenhar sobre o primeiro livro da série "As Quatro Estações do Amor" (p.s: vou hiperventilar em vários momentos da resenha, relevem minha empolgação).
 Em "Segredos de uma noite de verão" somos apresentados a história de Annabelle. Uma mocinha cuja a morte do pai resultou em uma vida repleta de dívidas financeiras que só poderiam ser solucionadas com um casamento entre Annabelle e algum nobre rico da alta sociedade. Apesar da solução simples, a mocinha de idade avançada para a época (quase 25 anos) e sem um dote à oferecer para seu futuro marido, ficou conhecida entre os membros da aristocracia como uma solteirona que nunca iria casar-se.
 É "esquentando cadeira" em mais um evento social que Anabelle começa a criar laços de amizade com outras moças que também são intituladas pela sociedade de "solteironas". Além da mocinha, o quarteto é composto por Lilian e Daisy, duas irmãs americanas que não se encaixam na sociedade londrina e Evie, uma moça ruiva e cheia de sardas que não consegue manter uma conversação amigável com nenhum rapaz pelo fato de ser gaga.
 Juntas, as moças dão início a vários planos casamenteiros para garantir um bom marido à Annabelle que estava interessada em qualquer ser humano do sexo masculino que tivesse dinheiro, principalmente após ter descoberto que sua mãe Philippa submetia-se a situações degradantes para quitar algumas contas e dívidas da família.
 Com um plano traçado para "fisgar" a atenção de lorde Kendall (o único solteiro com todos os dentes na boca), Annabelle, Lilian, Daisy e Evie conseguem um convite para um evento social no campo e "armam" para flagrar Annabelle e Kendall em uma situação comprometedora e "prender" de vez o mocinho, porém nenhuma garota contava com a participação de Simon Hunt na trama bem elaborada.
 Simon-moreno-alto-bonito-e-sensual-Hunt era ligeiramente obcecado com Annabelle desde a primeira vez que a viu, fazendo de tudo para conseguir a atenção da moça e sendo ignorado completamente pela mocinha devido ao fato dele não ser da nobreza e Annabelle considerá-lo inescrupuloso.
 Porém nosso mocinho foi persistente e duro na queda (ainda bem) e não deixou-se amedrontar pelas recusas e leves insultos da moça, podendo-se dizer que graças a sua perseverança foi possível termos o final feliz que todas nós leitoras esperávamos e torcíamos.
 Com muita risada, girl power e sensualidade o romance de Lisa Kleypas é perfeito do começo ao fim, sendo uma leitura obrigatória para todos os fãs do gênero. Agora convido você que já leu o livro a seguir em frente com a resenha, pois vou citar cena por cena do livro e dar muitos spoilers. Você que não leu o livro ainda, leia e por favor volte para checar o resto (e melhor parte) dessa resenha.
 Inicia-se agora a seção: "vamos comentar todos os trechos do livro", começando com o prólogo. Ao introduzir a narrativa, Kleypas volta dois anos no tempo e nos mostra que Annabelle e Simon conheceram-se inicialmente em um espetáculo, onde Annabelle acompanhada de Jeremy (seu irmão) não tinha dinheiro suficiente para comprar dois ingressos para a atração.
 Simon, um conhecido de Jeremy, oferece para pagar os ingressos e já nesse primeiro encontro não resiste a tentação e beija a mocinha. Foi lindo, foi mágico, porém desde então Annabelle passa a evitar o Sr. Hunt devido esse acontecimento.
 A rejeição da mocinha foi o que me prendeu totalmente na narrativa, pode me chamar de antiquada, mas eu adoro quando o homem vai atrás da mulher e se desdobra para conquistá-la. Sempre "torço um pouco o nariz" quando as mocinhas tem que se matarem para conquistar os heróis dos romances e Klepyas nunca me decepciona em criar homens que seduzem as moças.
 Avançando um pouco mais na leitura da obra e já completamente encantada com Simon, adorei a leve inovação do livro ao apresentar um conteúdo suavemente feminista no decorrer da narrativa.

"Não acho que os homens tenham que fingir como as mulheres - retrucou Annabelle. - Se um homem é corpulento ou tem dentes manchados, ou ainda se é meio estúpido, continua sendo um bom partido, bastando para isso que seja um cavaleiro e tenha algum dinheiros. Das mulheres, no entanto exige-se que atendam a padrões mais elevados."

(...)

"A sensação de caminhar ali sem sentir o peso das saias nas pernas era estranha e libertadora.
- Acredito que seja isso que os homens sentem - comentou Annabelle, pensando em voz alta - quando caminham para lá e para cá de calças compridas. Eu quase poderia invejar essa liberdade.
- Quase? - indagou Lilian com um sorriso. - Eu sem dúvida alguma os invejo. Não seria maravilhoso se as mulheres pudessem usar calças?"

 A junção das moças não foi um simples motivo para deixar o enredo cômico. O quarteto trouxe para a narrativa questões femininas que tornou a temática do livro inovadora e até mesmo atual.
 Além disso, como o próprio título da obra indica, foi maravilhoso ler as cenas de "verão" criadas pela autora durante a temporada que os personagens passaram na zona rural de Londres. Literalmente morri de rir com as moças jogando ao ar livre vestidas apenas com a roupa íntima e toda a falta de jeito da mocinha que utilizava sapatos de baile para andar no meio da terra e do mato, fazendo com que Simon carinhosamente a chamasse de "Cinderela campestre".
 Várias outras cenas como a picada da cobra, o simbólico jogo de xadrez e as botinhas que o Sr. Hunt deu de presente à Annabelle fizeram meu coração bater mais forte.
 Com exceção das cenas românticas/cômicas outro fator que contribuiu para esse livro entrar na minha lista de favoritos do ano, foi o fato de que Annabelle pôde escolher Simon como marido. Após armarem toda a cena de flagrante em que Lilian, Daisy e várias outras pessoas pegariam Annabelle e lorde Kendall em uma situação comprometedora nos jardins da residência, nossa mocinha desiste do plano e procura Hunt confessando à ele que o queria.
 Adorei o fato do casamento também ter ocorrido por vontade própria do casal, sem ninguém forcá-los a se casarem e fiquei encantada com o matrimônio ter ocorrido no meio da narrativa, de modo à oferecer ao leitor um panorama da vida conjugal. Honestamente já estava cansada de ler livros do gênero em que o casal é obrigado a se casar ou obras em que o casamento ocorre no último capítulo como forma de desfecho para um final feliz.
 O que diferencia Kleypas das outras autora é que ela não tem medo de fazer os personagens principais gostarem um do outro, pois sua história é bem escrita e consegue se sustentar em outros assuntos paralelos ao romance, como por exemplo o fato do mocinho ser um progressista mercantilista que não pertencia a aristocracia. A autora explora uma nova sociedade e escreve um livro que "prevê" a revolução industrial e a extinção da nobreza como classe dominante, tópico que nenhuma outra obra do gênero pensou em abordar.
 Antes de finalizar essa resenha preciso comentar que eu literalmente hiperventilei quando descobri que Simon morava no hotel RUTLEDGE de HARRY RUTLEDGE, MARIDO DE POPPY HATHAWAY, CASAL DO LIVRO "TENTAÇÃO AO PÔR DO SOL" DA SÉRIE HATHAWAY. Se eu ainda estava com dúvidas se esse livro era o melhor do ano, esse fato dissipou todas elas.
 Com um vilão que explorava sexualmente Philippa e o acidente final da narrativa no qual Annabelle, Simon e Lorde Westcliff quase morreram queimados no incêndio "Segredos de uma noite de verão" tem um desfecho perfeito, conseguindo "amarrar" todos os pontos apresentados durante o enredo e iniciar levemente a história do próximo livro da série que irá abordar o romance entre Lilian e Westcliff.
 Confesso que não vejo a hora da editora Arqueiro lançar a continuação dessa série, pois esse casal já me conquistou . Estou louca para ler Lilian amolecendo o coração do duração lorde Westcliff e tenho a sensação de que "Era uma vez no outono" será o próximo favorito de 2015. Só nos resta agora aguardar.

"- Sr. Hunt, você é o homem mais...
- Sim, eu sei - disse ele com um sorriso. - Pode poupar o esforço de me atirar adjetivos na cara. Já ouvi todos os possíveis.
Ele se sentou e pôs uma peça de xadrez na mão dela. O ônix esculpido era pesado e frio, mas a superfície lisa foi esquentando aos poucos na palma de Annabelle.
- Não quero atirar adjetivos na sua casa - retrucou ela. - Um ou dois objetos afiados já bastariam"




Classificação: 5 de 5 estrelas + <3

Leia Também

0 comentários