cassandra clare

Resenha: Dama Da Meia-Noite (Os Artifícios Das Trevas #1) - Cassandra Clare

17.12.18



 Como já dizia Gal Costa, "Quando vim para esse mundo, eu não atinava em nada, hoje eu estou destinada a sofrer com parabatais amaldiçoados e chorar feito uma desvairada". Não rimou, porém o sentimento é verídico.
 Em "Dama Da Meia-Noite", Cassandra Clare - também conhecida como destruidora do emocional de todos os seus leitores - narra a estória de Emma Carstairs e Julian Blackthorn. Dois Shadowhunters que tornaram-se órfãos após o fim da Guerra Maligna - aquela que aconteceu lá em "Cidade Do Fogo Celestial" - e agora buscam a vingança e a verdade por trás do assassinato dos pais de Emma, os quais morreram com marcas e símbolos desconhecidos gravados em seus corpos.
 Não bastasse essa investigação que move todo o enredo principal, Emma ainda tem que lidar com os estranhos sentimentos descobertos por seu parabatai, enquanto Julian luta para criar seus irmãos menores e segurar todos os segredos que vem escondendo desde os doze anos de idade.
 Apesar de "Dama Da Meia-Noite" fazer parte desse universo de Caçadores de Sombras criado por Cassandra Clare em 2006, acredito que novos leitores conseguirão entender perfeitamente essa nova obra da autora - mesmo sem terem tido qualquer contato prévio com seus outros romances - simplesmente por que os capítulos iniciais desse livro fazem um apanhado geral sobre tudo aquilo que você precisa saber para compreender o enredo.

clube dos sobreviventes

Resenha: Um Acordo e Nada Mais (Clube dos Sobreviventes #2) - Mary Balogh

5.12.18


 Sophia Fry é uma pessoa excluída da sociedade. Após a morte de seu pai, a garota passou a viver basicamente de favores nas casas de todo e qualquer parente próximo. Conhecida como a "Ratinha" entre seus tios e primos, a dama consegue a proeza de chamar a atenção do Visconde Darleigh.
 Vincent - outro membro do "Clube Dos Sobreviventes" - teve sua primeira participação na guerra interrompida permanentemente, ao acidentar-se com o disparo de um canhão e perder sua visão. Não bastasse sua recuperação mental, o jovem agora tem que lidar com o novo título de Visconde que lhe foi incumbido. Fugindo da mãe e irmãs, as quais tentavam-no arranjar um casamento, o rapaz volta a sua antiga casa de infância e lá conhece a família de Sophia.
 A senhorita Fry, ao notar o interesse - não tão genuíno assim - da prima em agarrar Vicent e sua fortuna com as duas mãos, impede os planos da moça, apenas para ver-se despejada de casa. E o Visconde Darleigh - como o homem honrado que é - prontamente oferece uma solução para os problemas da dama recém-abandonada: unir-se a ele em sagrado matrimônio.
 Como nenhum dos dois tinham planos de casarem-se em um futuro próximo, Vicent faz uma proposta à moça: eles passariam apenas um ano juntos e depois cada um poderia fazer de sua vida aquilo que bem desejasse. E simples assim, Sophia Fry deixou de ser a "Ratinha" para tornar-se uma Viscondessa.

beatriz l. matero

Resenha: Todos Os Clichês De Lady Olivia - Beatriz L. Matero

30.11.18


 Londres, 1880
Lady Olivia estava perfeitamente satisfeita com sua rotina como dama de companhia. Aos 23 anos, a jovem do século XIX, desejava apenas uma coisa: possuir dinheiro suficiente para um dia abrir sua própria escola e trabalhar como preceptora.
Portanto, quando surgem os rumores de que seu falecido pai, o antecessor Duque de Winterfell, deixou um tesouro escondido em sua antiga propriedade, Liv não hesita em invadir a casa de infância e vasculhar todos os recôncavos do local em um plano que ela acreditava ser infalível até o enigmático Lorde Theodoro Balti surgir em seu campo de visão.

 Brasil, Dias Atuais
No auge de seus 26 anos, Theo nunca imaginou que – em uma fatídica tarde de terça-feira – ao vasculhar o computador da irmã e modificar o desfecho de um romance de época escrito pela caçula, ele seria envolvido por uma assustadora escuridão e transportado até o universo fictício, como punição por alterar o final feliz de tal livro.
Agora o rapaz, preso em uma Londres iluminada apenas a luz de velas, deverá seguir todos os clichês do gênero para retornar até a sua realidade. Perdido entre carruagens, bailes e os dourados olhos de Lady Olivia, Theodoro Balti precisará ajudar a protagonista da obra a alcançar seu final feliz, enquanto tenta resistir ao clichê mais difícil de não apaixonar-se pela dama

a darker shade of magic

Resenha: Um Tom Mais Escuro de Magia (Tons de Magia #1) - V.E. Schwab

15.11.18


 "Um Tom Mais Escuro de Magia" é aquele livro que veio restaurar a fé na humanidade e salvar meu universo literário - basicamente jogado aos pedaços - de entrar em total e completo colapso. Mas antes de tecer elogios para a escrita fantástica de V.E. Schwab, deixe-me fazer um breve resumo da narrativa.
 Em um mundo mágico dividido entre quatro Londres diferentes - Vermelha, Cinza, Branca e Preta - Kell é um dos últimos Viajantes - seres que conseguem transitar entre os universos - existentes em seu tempo.
 Proibido de coletar objetos de qualquer uma dessas Londres, Kell - como o feiticeiro rebelde que é - ignora esse aviso e inicia um comércio ilegal de troca entre colecionadores e outros magos em uma taberna local. Tudo transcorria as mil maravilhas, até uma garota interceptar Kell e entregar-lhe uma pedra misteriosa, solicitando ao rapaz que ele enviasse o pertence para um ente querido que residia em uma outra variação do mesmo país.
 Sem tempo para analisar o objeto ou o pedido em questão, o garoto viaja até a Londres Cinza e imediatamente depara-se com Delilah Bard - uma ladra com aspirações a pirata - em um beco sombrio da cidade. Envolto na confusão da situação ao descobrir que a pedra preta em seu bolso representava uma antiga e maligna magia proveniente da Londres Negra, Kell nem ao menos percebe quando Lila rouba o objeto de seu casaco e foge de seu alcance.
 Procurando a garota a fim de recuperar aquilo que lhe pertencia, o rapaz de um olho claro e o outro completamente negro, vê-se diante de um conflito envolvendo poderes antigos, que ele sequer imaginou existir. 

eu perdi o rumo

Resenha: Eu Perdi O Rumo - Gayle Forman

2.11.18


"Está tudo bem, não está? (...) Mais tarde, Nathaniel se deu conta de que não era exatamente uma pergunta. As pessoas queriam se tranquilizar, se livrar da situação difícil. Então, por mais que nada estivesse bem, nada certo, por mais que ele fosse um sapo fervendo numa panela, por mais que estivesse sendo tragado pelo chão sob seus pés, ele respondia: "Está tudo bem."
Uma mentira deslavada. Quando é que está tudo bem?"

 Ler livros da Gayle Forman é a maneira mais acessível de fazer terapia nos dias atuais. Desde seu romance de estreia, até suas outras obras mais adultas, cada texto dessa autora apresenta uma questão moral e filosófica para reflexão do leitor no decorrer de suas páginas.
 E "Eu Perdi O Rumo" segue essa mesma característica marcante da autora. Com três personagens completamente distintos Gayle Forman nos apresenta a estória de Freya, a garota que perdeu sua voz, Harun, o rapaz que  perdeu seu amor e Nathaniel, o menino que perdeu sua definição de família.
 Encontrando-se por acaso em um acidente protagonizado nas ruas de Nova York, o destino desses três adolescentes se intercalam e juntos eles passam o período de um dia tentando ajudar uns aos outros a superarem suas próprias perdas.

and I darken

Resenha: Filha Das Trevas (Saga da Conquistadora #1) - Kiersten White

20.10.18


"Though Lada did not know what would happen, she was certain of two things:
It would hurt, and she would need to be strong"

 "Filha Das Trevas" de Kiersten White é o primeiro volume da trilogia intitulada "Saga Da Conquistora" e conta a estória de Lada Dragwlya e seu irmão Radu, filhos de Vlad Dracul, o temido Príncipe de Valáquia que uniu-se a Ordem do Dragão para lutar contra o Império Otomano. Uma missão a qual não foi bem sucedida e o fez entregar seus únicos filhos para a corte inimiga.
 Desde crianças Lada e Radu são exilados em um país estrangeiro com costumes e religiões diferentes do familiar catolicismo. Aprendendo-se a adaptar, o bom e querido Radu aceita facilmente essa nova corte como sua casa, já a rebelde e determinada Lada reluta em esquecer Valáquia.
 A união complicada entre os irmãos, apenas torna-se mais emaranhada, quando a figura de Mehmed - filho do sultão - surge em suas vidas, dividindo seus sentimentos.
 Em um período marcado por lutas em busca de terras e guerras travadas em nome da religião, Lada e Radu devem escolher entre seus laços familiares, o amor por Mehmed ou seu desejo de voltarem para Valáquia e reconquistarem o país que é seu por direito de nascimento, nessa belíssima reinterpretação da história verídica de Vlad, o Empalador.

a duquesa feia

Resenha: A Duquesa Feia (Contos de Fadas #3) - Eloisa James

22.9.18


 "A Duquesa Feia" narra a estória de Theodora Saxby, uma debutante rica, porém feia perante os padrões da sociedade. Após a morte de seu pai, Theo passou a ser tutelada pelo pai de James Ryburn e juntos os dois protagonistas dessa narrativa crescem unidos até tornarem-se jovem adultos com os hormônios à flor da pele.
 Sem qualquer pensamento amoroso com relação a garota que morou em sua casa desde pequena, James é surpreendido ao ver-se obrigado a casar-se com a moça, pois seu pai basicamente levou a menina a falência utilizando o dinheiro de seu dote para cobrir suas infinitas dívidas.
 Lutando contra o senso de honra e a amizade com Theo, James acaba pedindo-a em casamento. Afinal, após beijar a menina, ele descobre que - ao contrário do que pensava - já nutria sentimentos pela amiga.
 O que o pobre rapaz não esperava era que Theodora descobrisse as artimanhas do pai (já repeti a palavra "pai" umas quinhentas mil vezes aqui, relevem) e abandonasse-o ao deus-dará. Agora, o que a sinopse do livro não nos conta, é que Theo e James passam quase sete anos separados e meio que vários nadas acontecem durante esse tempo - socorro.
 Portanto, quando o homem retorna para a vida de Theo e descobre que o famoso "patinho feio" transformou-se em um "cisne", ele não medirá esforços para ter a esposa em seus braços novamente.

agentes da coroa

Resenha: Como Se Casar Com Um Marquês (Agentes Da Coroa #2) - Julia Quinn

23.8.18


"Santo Deus, havia se tornado uma perfeita idiota. Estava conversando com um livro. Um livro! Que não tinha qualquer poder, que não mudaria a vida dela e que certamente não responderia quando ela fosse estúpida a ponto de falar com ele.
Era só um livro. Um objeto inanimado. O único poder que ele detinha era o que ela mesma escolhera lhe dar. Só poderia ser importante na vida dela se ela permitisse."

 Já é possível afirmar que os livros da pequena saga "Agentes Da Coroa" de Julia Quinn foram as melhores descobertas literárias desse ano e eu estou até agora indignada comigo mesma por não ter pegado essas obras antes.
 Em "Como Se Casar Com Um Marquês" - segundo e último livro dessa duologia, o leitor é agraciado com a estória de James, também conhecido como o encantador marquês de Riverdale e sua mocinha, Elizabeth Hotchkiss.
 Quando a tia de James, lady Danbury, começa a ser chantageada por um desconhecido a senhora prontamente chama o sobrinho à sua propriedade para desvendar o mistério daquele que está aproveitando-se de seus segredos.
 Afastado de sua antiga vida como agente, James surge disfarçado de um pobre administrador da propriedade e logo passa a investigar todos os membros que habitam a casa da tia, incluindo a srta. Hotchkiss.
 Elizabeth é a dama de companhia de lady Danbury e apesar de trabalhar para a senhora durante cinco anos, ela ainda não consegue ganhar o suficiente para sustentar seus três irmãos mais novos e mandar o único herdeiro da família para a escola.
 Precisando casar-se com alguém da aristocracia, Lizzie encontra um pequeno livrinho na biblioteca de lady Danbury, intitulado "Como Se Casar Com Um Marquês" e em um momento de desespero ela rouba a obra e decide praticar os decretos ali inseridos com o novo administrador da propriedade, o qual após descobrir seu segredo, mais do que alegremente oferece seus serviços para auxiliar a moça em seu problema.