agentes da coroa

Resenha: Como Se Casar Com Um Marquês (Agentes Da Coroa #2) - Julia Quinn

23.8.18


"Santo Deus, havia se tornado uma perfeita idiota. Estava conversando com um livro. Um livro! Que não tinha qualquer poder, que não mudaria a vida dela e que certamente não responderia quando ela fosse estúpida a ponto de falar com ele.
Era só um livro. Um objeto inanimado. O único poder que ele detinha era o que ela mesma escolhera lhe dar. Só poderia ser importante na vida dela se ela permitisse."

 Já é possível afirmar que os livros da pequena saga "Agentes Da Coroa" de Julia Quinn foram as melhores descobertas literárias desse ano e eu estou até agora indignada comigo mesma por não ter pegado essas obras antes.
 Em "Como Se Casar Com Um Marquês" - segundo e último livro dessa duologia, o leitor é agraciado com a estória de James, também conhecido como o encantador marquês de Riverdale e sua mocinha, Elizabeth Hotchkiss.
 Quando a tia de James, lady Danbury, começa a ser chantageada por um desconhecido a senhora prontamente chama o sobrinho à sua propriedade para desvendar o mistério daquele que está aproveitando-se de seus segredos.
 Afastado de sua antiga vida como agente, James surge disfarçado de um pobre administrador da propriedade e logo passa a investigar todos os membros que habitam a casa da tia, incluindo a srta. Hotchkiss.
 Elizabeth é a dama de companhia de lady Danbury e apesar de trabalhar para a senhora durante cinco anos, ela ainda não consegue ganhar o suficiente para sustentar seus três irmãos mais novos e mandar o único herdeiro da família para a escola.
 Precisando casar-se com alguém da aristocracia, Lizzie encontra um pequeno livrinho na biblioteca de lady Danbury, intitulado "Como Se Casar Com Um Marquês" e em um momento de desespero ela rouba a obra e decide praticar os decretos ali inseridos com o novo administrador da propriedade, o qual após descobrir seu segredo, mais do que alegremente oferece seus serviços para auxiliar a moça em seu problema.

bienal do livro de são paulo

Bienal do Livro SP 2018 + Book Haul

12.8.18

fotos autorais

 A Bienal de São Paulo mal chegou e já foi embora. E devido a minha nostalgia por hoje - 12/08/1028 - ser o último dia do evento resolvi mostrar ao mundo minhas péssimas habilidades de fotógrafa amadora + compartilhar com você, caro leitor, o motivo pelo qual venderei um rim no próximo mês.

agentes da coroa

Resenha: Como Agarrar Uma Herdeira (Agentes Da Coroa #1) - Julia Quinn

21.7.18


 "Como Agarrar Uma Herdeira" é o primeiro livro da duologia "Agentes da Coroa" e narra a estória de Caroline Trent, uma moça de 20 anos que após perder os pais quando ainda jovem, viu-se perdida nos braços de inúmeros tutores - um pior que o outro - aguardando ansiosamente o dia em que completaria 21 anos para colocar as mãos em sua herança.
 Todavia, a situação desesperadora da garota atingiu seu estopim quando hospedada na casa de um suposto contrabandista, Caroline quase teve sua honra manchada pelo filho do homem, o qual planejara levá-la para cama na intenção de casar-se com ela e usufruir de sua fortuna.
 Arrumando seus poucos pertences e fugindo apenas com a roupa do corpo, Caroline depara-se com Blake Ravenscroft - um agente da Coroa - e é sequestrada pelo rapaz que confunde-a com uma perigosíssima espiã espanhola.
 E assim inicia-se essa epopeia protagonizada por esse casal não muito tradicional, criado por Julia Quinn.

a sombra do corvo

Resenha: Nevernight - A Sombra do Corvo (Nevernight #1) - Jay Kristoff

7.7.18


 É seguro declarar que "Nevernight - A Sombra do Corvo" de Jay Kristoff é um dos romances mais conflitantes dos últimos tempos. No universo literário você encontrará pessoas gritando: "O HYPE É REAL" de um lado, enquanto outras jogarão a obra lá para escanteio e nem ao menos terminarão sua leitura.
 No meu caso, consegui realizar a proeza de não me encaixar em nenhuma das opções anteriores, ficando realmente em cima do muro com a obra de Jay Kristoff. Mas tenho quase certeza de que se o vento soprar mais forte, cairei no time daqueles que simplesmente não entenderam o auê em torno desse livro.
 "Nevernight" apresenta uma bela e rebuscada sinopse oficial, apresentando ao leitor uma protagonista cheia de sangue nos olhos em uma cidade governada por Deuses impiedosos. Onde, num cenário excêntrico em que três sóis marcam o assassinato do pai de Mia Corvere e uma escuridão aterrorizadora toma conta da garota, ela procura treinamento e abrigo na Igreja Vermelha para poder vingar-se daqueles que executaram sua família.
 A meu ver, o verdadeiro resumo desse livro deveria ser: "Garota de 16 anos, após ver sua família ser destruída por uns imperadores poderosos, entra em uma escola de treinamento para assassinos - que na realidade parece uma mistura de Harry Potter com Academia de Vampiros - e fica presa por lá durante umas 400 páginas, fazendo migas, arrumando intrigas com as falsianes e transando com o crush nas horas vagas.
 Com notas de rodapé maiores do que a própria narrativa e uma linguagem rebuscada para mostrar o quanto o autor é o bonzão das palavras, seja você também, bem-vindo a Nevernight"  
 Se o livro tivesse sido vendido com essa sinopse, tenho certeza absoluta que iria com o espírito preparado para encarar esse falso calhamaço com menos de 500 páginas na versão original.

império das tormentas

Resenha: Império das Tormentas (Império das Tormentas #1) - Jon Skovron

20.6.18


 "Império das Tormentas" é o primeiro livro da adulta trilogia de fantasia envolvendo a vida de Red e Hope, protagonistas que aos oito anos de idade viram suas vidas transformarem-se de ponta cabeça ao perderem seus pais.
 Red, o belo garoto dos olhos vermelho, encontrou a velha assassina Sadie em uma situação delicada e desde pequeno a mulher criou o rapaz para tornar-se o melhor ladrão do império. Já Hope, após ser a única sobrevivente do massacre em seu vilarejo, caiu nas mãos de uma ordem religiosa - exclusivamente masculina - e lá foi treinada ilegalmente para ser uma guerreira vinchen.  
 Vivendo num verdadeiro império em ruínas, dominados pelos biomantes  - seres capazes de alterar as formas das pessoas vivas - Red e Hope devem unir suas forças para impedir que os avanços desse grupo dominem completamente a população remanescente de Nova Laven. 

clube dos sobreviventes

Resenha: Uma Proposta e Nada Mais (Clube dos Sobreviventes #1) - Mary Balogh

1.6.18


"Eu tinha que querer. Não porque precisasse provar algo a alguém (...) Não: só foi possível, Gwen, porque eu quis aquilo para mim. Tudo fluiu a partir desse desejo. As pessoas, sobretudo as religiosas, dão a entender que é errado, até mesmo pecado, amar a si mesmo. Não é. É o amor básico, essencial. Quando você não ama a si mesma, não tem condições de amar mais ninguém. Não de maneira completa e verdadeira"

 "Uma Proposta e Nada Mais" é o primeiro livro da nova série "O Clube dos Sobreviventes" de Mary Balogh e nele somos apresentados a estória de Hugo, também conhecido como lorde Trentham, um ex-soldado responsável por comandar uma missão suicida da qual foi um dos poucos sobreviventes.
 E ao retornar para casa, o homem depara-se com o falecimento de seu pai e uma nova responsabilidade cai sobre seus ombros ao assumir seu novo título aristocrático e cuidar da irmã e madrasta desamparadas. 
 Sozinho e ainda atordoado com seu passado, Hugo descobre que apenas uma esposa poderia ajudá-lo nessa nova etapa de sua vida. Eis então, que o rapaz conhece Gwen.
 A jovem viúva estava longe da perfeição, manca de uma perna devido a um terrível acidente de cavalo e com um antigo casamento permeado de infelicidades, a última coisa que Gwendoline queria era unir-se em sagrado matrimônio novamente. Todavia, ao encontrar lorde Trentham, a moça descobrirá que eles possuem mais em comum do que imaginavam.
 Ninguém está mais surpresa do que eu mesma, pelo quanto gostei desse novo livro de Mary Balogh. Após colocar o resto da série "Os Bedwins" na lista de espera, não iniciei essa leitura com grandes expectativas e foi uma verdadeira alegria encontrar - finalmente - um romance de época digno de seu gênero.

arc

Resenha: Miss Subways - David Duchovny

6.5.18


"It was rare that she was without a book - she favored nineteenth-centuty novels: George Eliot, Jane Austen, Charles Dickens - but this was one of those times she lacked printed matter (...) Ever since she could read, Emer had felt the compulsion to read and even reread - cereal boxes, toothpaste tubes, subway ads. She was a reader. It defined her."

 "Miss Subways" de David Duchovny é o terceiro romance publicado pelo autor, o qual conta a estória de Emer, uma mulher na casa de seus quarenta anos a qual teve um tumor no lobo temporal quando pequena e desde então sofre consequências alucinógenas de sua doença. 
 Morando em Nova York em um pequeno apartamento com seu namorado Con, a professora de educação infantil recebe inesperadamente a visita de um duende - por falta de melhor definição - o qual mostra para Emer seu futuro na tela de um smartphone
 Sid - o duende porteiro - exibe um vídeo onde Con encontra Ananzi - uma suposta deusa africana - e morre atropelado durante o encontro, porque o homem irritou os deuses antigos ao escrever um livro sobre sua cultura.
 Para salvar seu namorado, Sid diz que Emer deve desistir de seu desejo de envelhecer ao lado de Con. Somente dessa maneira o rapaz sobreviverá a fúria de Ananzi. O único problema é que ao fazer isso, Con não se lembraria de Emer e tudo aquilo que viveram juntos. E Emer estaria proibida de fazer qualquer tipo de contato com o rapaz, caso contrário seu sacrifício seria em vão e ele morreria novamente.
 Em um misto exagerado de realismo mágico com ficção adulta, o novo livro de David Duchovny conquista leitores de todas as idades.